anterior    aleatorio / random   autor / author   inicio / home   siguiente / next

        CANTIGA LIV

Esta é de como Santa Maria guaryu con seu leite o monge doente que cuidavan que era morto.

Toda saude da Santa Rea
ven, ca ela é nossa meeza.

Ca pero avemos enfermidades
que merecemos per nossas maldades,
atan muitas son as sas piedades,
que sa vertude nos acorr' aga.
Toda saude da Santa Rea
ven, ca ela é nossa meeza.

Dest' un miragre me vo emente
que vos direi ora, ay, bõa gente,
que fez a Virgen por un seu sergente,
monge branco com' estes da Espa.
Toda saude da Santa Rea
ven, ca ela é nossa meeza.

Est' era sisudo e leterado
e omildoso e ben ordinnado,
e a Santa Maria todo dado,
sen tod' orgullo e sen louçaa.
Toda saude da Santa Rea
ven, ca ela é nossa meeza.

E tal sabor de a servir avia
que, poi-lo convent' as oras dizia,
ele fazend' oraçon remania
en ha capela mui pequena;
Toda saude da Santa Rea
ven, ca ela é nossa meeza.

E dizia prima, terça e sesta
e nõa e vesperas, e tal festa
fazia sempre baixada a testa,
e pois completas e a ledana.
Toda saude da Santa Rea
ven, ca ela é nossa meeza.

E vivend' en aquesta santidade,
ena garganta ouv' enfermidade
tan maa que, com' aprix en verdade,
peyor cheirava que a caavra.
Toda saude da Santa Rea
ven, ca ela é nossa meeza.

Ca o rostr' e a garganta ll' enchara
e o coiro fendera-ss' e britara,
de maneira que atal se parara
que non podia trocir a taula.
Toda saude da Santa Rea
ven, ca ela é nossa meeza.

Os frades, que cuidavan que mort' era,
porque un dia sen fala jouvera,
cada un deles de grado quisera
que o ongessen como convia.
Toda saude da Santa Rea
ven, ca ela é nossa meeza.

E porend' o capeyron lle deitaron
sobelos ollos, porque ben cuidaron
que era mort', e torna-lo mandaron
a ourient' onde o sol via.
Toda saude da Santa Rea
ven, ca ela é nossa meeza.

E u el en tan gran coita jazia
que ja ren non falava nen oya,
vee-lo vo a Virgen Maria,
e con hua toalla que tia
Toda saude da Santa Rea
ven, ca ela é nossa meeza.

Tergeu-ll' as chagas ond' el era cho;
e pois tirou a ssa teta do so
santa, con que criou aquel que vo
por nos fillar nossa carne mesqua.
Toda saude da Santa Rea
ven, ca ela é nossa meeza.

E deitou-lle na boca e na cara
do seu leite. E tornou-lla tan crara,
que semellava que todo mudara
como muda penas a andora.
Toda saude da Santa Rea
ven, ca ela é nossa meeza.

E disse-lle: «Por esto vin, irmão,
que ti acorress' e te fezesse são;
e quando morreres, sei ben certão
que irás u é Santa Catela».
Toda saude da Santa Rea
ven, ca ela é nossa meeza.

Pois esto dit' ouve, foi-ss'. E mui cedo
se levantou o monge; e gran medo
ouveron os outros, e quedo, quedo
foron tanger ha ssa canpaa,
Toda saude da Santa Rea
ven, ca ela é nossa meeza.

A que logo todos foron juntados
e deste miragre maravillados,
e a Santa Maria muitos dados
loores, a Estrella Madoda.
Toda saude da Santa Rea
ven, ca ela é nossa meeza.

autógrafo

Alfonso X el Sabio


subir   poema aleatorio   Cantigas de Santa María   siguiente / next   anterior / previous
manuscrito Manuscrito Códice de Toledo Mss. 10.069 BNE
manuscrito Manuscrito Códices del Escorial Mss. 5.982 BNE
manuscrito Manuscrito P. Andrés Burriel Mss. 13.055 BNE
partitura / partiture Partitura musical