anterior    aleatorio / random   autor / author   inicio / home   siguiente / next

        CANTIGA CCCXXXI

Como Santa Maria de Rocamador ressocitou un menynno morto.

Ena que Deus pos vertude grand' e sempr' en ela crece,
poder á d'enjermidades sãar e toda sandece.

Ca tant' é a ssa vertude grande daquesta Reynna,
que o que en ela cree non busc' outra meezynna;
que quant' é o mal chus forte, tanto o tol mais agynna,
ca a cada door sabe ela quant' y pertece.
Ena que Deus pos vertude grand' e sempr' en ela crece,
poder á d'enjermidades sãar e toda sandece.

Onde daquest' un miragre en Rocamador avo
na se igreja da Virgen, onde tod' o mund' é cho
de sas graças e mercees, e que por nosso ben vo
Jhesu-Crist en ela carne fillar con que nos nodrece.
Ena que Deus pos vertude grand' e sempr' en ela crece,
poder á d'enjermidades sãar e toda sandece.

Ha moller ouv' un fillo que mui mais ca si amava,
boo dus doz' anos, e sempre ss' en el catava
en com' era fremoso, e mil vezes lo beijava
como madr' a fillo beija con que muit' afan padece,
Ena que Deus pos vertude grand' e sempr' en ela crece,
poder á d'enjermidades sãar e toda sandece.

E faagava-o tanto quanto faagar podia.
Mais o moç' a pouco tenpo da gran fever morria;
e o doo que por ele enton sa madre fazia,
e contar-vos de com' era grande, muito mi avorrece.
Ena que Deus pos vertude grand' e sempr' en ela crece,
poder á d'enjermidades sãar e toda sandece.

E braadava mui forte, depenando seus cabelos,
des y os dedos das mãos non quedava de torce-los,
e outrossi a seus braços non leixava de mete-los,
dizendo: «Sen ti, meu fillo, este mundo m' escurece».
Ena que Deus pos vertude grand' e sempr' en ela crece,
poder á d'enjermidades sãar e toda sandece.

E[n]quant' a missa disseron, sempre fez aqueste doo,
dizendo: «Sen ti mui soa fico, e tu sen mi soo;
e oy mais jarás so terra ben como jaz teu avoo,
e muit' ei coraçon forte que agora non perece».
Ena que Deus pos vertude grand' e sempr' en ela crece,
poder á d'enjermidades sãar e toda sandece.

E pois a missa foi dita, o menynno soterraron,
e a madre come morta de sobr' ele a tiraron;
e ben assi seus parentes a ssa casa a levaron
come a moller transsida que ni un nenbro non mece.
Ena que Deus pos vertude grand' e sempr' en ela crece,
poder á d'enjermidades sãar e toda sandece.

Assi jouv' aquela noit', e outro dia madurgada
foi veer u soterravan seu fillo a malfadada
[.......................] achou e foi tan coitada
que tornou poren sandia; ca muitas vezes contece
Ena que Deus pos vertude grand' e sempr' en ela crece,
poder á d'enjermidades sãar e toda sandece.

Que con gran coita o siso perden os que mui coitados
son. E assi fez aquesta pelos seus maos pecados,
assi que todo-los santos eran ja dela nojados
andando dus en outros. Mas a que nunca falece,
Ena que Deus pos vertude grand' e sempr' en ela crece,
poder á d'enjermidades sãar e toda sandece.

Virgen santa groriosa, ouve dela piedade;
e pois foi ena sa casa de Rocamador, verdade
foi assi que atan toste lle deu logo sãidade:
ca u chega sa vertude, logo sen dulta guarece.
Ena que Deus pos vertude grand' e sempr' en ela crece,
poder á d'enjermidades sãar e toda sandece.

autógrafo

Alfonso X el Sabio


subir   poema aleatorio   Cantigas de Santa María   siguiente / next   anterior / previous
manuscrito Manuscrito Códices del Escorial Mss. 5.982 BNE
partitura / partiture Partitura musical