anterior    aleatorio / random   autor / author   inicio / home   siguiente / next

        SONETO VIII

Pede o desejo, Dama, que vos veja,
não entende o que pede; está enganado.
É este amor tão fino e tão delgado,
que quem o tem não sabe o que deseja.

Não há cousa a qual natural seja
que não queira perpétuo seu estado;
não quer logo o desejo o desejado,
porque não falte nunca onde sobeja.

Mas este puro afeito em mim se dana;
que, como a grave pedra tem por arte
o centro desejar da natureza,

assi o pensamento (pola parte que
vai tomar de mim, terreste [e] humana)
foi, Senhora, pedir esta baixeza.

1595

autógrafo

Luís de Camões


subir   poema aleatorio   Sonetos   siguiente / next   anterior / previous
español Traducción de Carlos López Narváez
Voz: LibriVox Voz: LibriVox